Na última semana, foi assinado documento referente ao início das obras da Estação Elevatória de Esgotos Final e Estação de Tratamento de Esg...

Sabesp: heroína ou vilã?

Na última semana, foi assinado documento referente ao início das obras da Estação Elevatória de Esgotos Final e Estação de Tratamento de Esgotos – Bacia Oeste. O evento, realizado na biblioteca, contou com autoridades e diversos figurões da política e da empresa. Mas qual o motivo para todo este estardalhaço?

Parte da imprensa regional, presente ao evento, tratou a situação como uma “grande conquista” para Adamantina, mesmo após ouvir (se é que ouviram) a Secretária de Estado de Saneamento e Energia, Dilma Seli Pena, dizer que esta obra estava chegando com atraso.

Mas, vamos aos fatos:

A Sabesp atua há mais 30 anos em Adamantina como empresa responsável pelo fornecimento de água tratada e saneamento básico, mas realiza o tratamento de apenas 40% do esgoto coletado na cidade. Os outros 60% foram despejados in natura em nossos córregos.

Durante este período, a empresa cobrou pelos serviços prestados e (pasmem) também pelo tratamento de esgoto produzido pela população.

O tratamento de 100% do esgoto é uma reivindicação de décadas e, desta forma, não um presente! Além disso, inaugurar o início de uma obra é demais, não é? Só faltaram descerrar uma placa com os dizeres: aqui foi inaugurada o início de uma obra... é pra acabar!

A pressão popular com o “Movimento pela Vida nos Nossos Córregos” em 1994 e a atuação eficaz do Ministério Público, Apromam e imprensa foram fundamentais para que a empresa cumprisse sua obrigação. Em 2007 a Sabesp comprometeu-se em iniciar a construção da estação de tratamento em tempo determinado, todavia, os prazos estabelecidos não foram cumpridos, apesar do sentimento de dívida com Adamantina.

Dirigentes da empresa garantiram a conclusão das obras para 2009 durante todo o tempo, mas na sexta-feira anunciaram que a conclusão será apenas em 2010.

O contrato de concessão dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário em Adamantina ainda não foi definido. O início da estação de tratamento é fator decisivo nas negociações, tendo em vista que toda a população acompanha o desenrolar das negociações e este estardalhaço parece mais uma manobra arquitetada para ludibriar parte da população (e da imprensa) alheios ou alienados ao que ocorre.

Ah! O presidente da Sabesp, Gesner de Oliveira também participou do evento e demonstrou muita dificuldade para pronunciar Adamantina. Chegou até a trocar o nome da cidade.

E por falar em contrato, a Secretária de Estado confirmou a postura do atual governo em firmar parcerias com todos municípios, independente se estiverem com a Sabesp ou não. A declaração enfraquece o discurso da empresa e fortalece a democracia...

Everton Santos é publicitário e jornalista em Adamantina

1 comentários:

Jé Theodoro disse...

Everton, eu já tinha ouvido falar sobre o caso da cobrança do tratamento de esgoto, que por sua vez não acontecia.
Não seria cabivel uma ação administrativa contra a empresa, afinal, forão 12 reais(se não me engano), roubados(literalmente) de cada cidadão Adamantinense durante todo esse tempo.

Commentários