“A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente”, ...

Acabou mesmo?


“A distinção entre passado, presente e futuro é apenas
uma ilusão teimosamente persistente”, Albert Einstein

Everton Santos (*)

Parafraseando Drummond, pergunto: A eleição acabou, a guerra cessou, o povo votou, o debate esfriou. E agora, José? E agora, você?
Ao que parece o discurso caloroso, motivado por preferências a esse ou aquele grupo ainda dão o tom do debate político local. Marcas da disputa são perceptíveis em muitos lugares e pessoas. Enquanto isso, quem sofre, é a comunidade.
Os grupos continuam na disputa. Já Adamantina sofre com a falta de compromisso político e ético, da falta de união e de foco por uma cidade melhor para o nosso povo.
Pelo visto, união é algo ideológico. Os interesses pessoais continuam sobressaindo aos interesses públicos e os ataques continuam, veladamente ou não. Com ou sem argumentos, nenhum dos grupos reconhece a necessidade de um projeto suprapartidário. A luta pela posse do poder continua...
E agora, você? O que é preciso para melhorar nossa cidade? Apenas esperar, somente criticar ou participar com sugestões e buscar alternativas? É preciso romper o ciclo oligárquico que se repete ao longo dos tempos. Mais democracia no estado democrático!
Mas, há algo de novo neste reino. A participação popular é latente e os governantes tem o dever de compartilhar deste processo. As redes sociais (todas elas, não só o facebook) ditam um novo e importante fenômeno de participação popular, de fiscalização e cobranças. Também de ataques, alguns disfarçados de críticas, de brincadeiras, com ironia, outros diretos e certeiros, ou não.
Responder aos anseios populares é envolver a população nas decisões de poder. Humanizar é escutar e agir. A criação de uma ouvidoria municipal, também pela internet, é algo palpável e, digo mais, urgente.
As falhas do sistema e a ausência de políticas públicas nas mais diversas áreas são conhecidas há décadas, mas agora estão escancaradas. A internet mostra não somente as conquistas, corriqueiramente impressas nos jornais e propaladas nas rádios.
Saber lidar com isso é mais que positivo, gera satisfação e auxilia no direcionamento das ações públicas. Responder é fundamental. Agilidade, essencial. Seriedade, obrigação. Na dificuldade, há oportunidade.
Nos últimos dias denúncias foram postadas e a resposta do poder público foi falho. Isso não ocorre apenas aqui, mas também em cidades vizinhas, onde apenas o interessante é publicado.
Ocorre que as oportunidades estão sendo desperdiçadas. Até quando? E agora, você?

(*) Everton Santos é publicitário e jornalista (MTb Nº. 34.016/SP)

0 comentários:

Commentários